Caridade Discreta

"Se, em vez do que vindes tentando improficuamente, procurásseis meios de vos tornardes agentes da lídima FRATERNIDADE, exercida com tanta eficiência pelo Divino Modelo do amor, já vos encontraríeis vitoriosos, espalmando alegrias que longe estariam de vos manter a alma assim torva e encapelada.
A CARIDADE, meus amigos - permita-me que vo-lo recorde -, é a generosa redentora daqueles que se desviaram da rota delineada pela Providência! Por isso mesmo, o sábio Rabi da Galiléia ofereceu-a como ensinamento supremo à Humanidade, que Ele sabia divorciada da Luz, por mais fácil e mais rápido caminho para a regeneração!
É tempo já de pensardes com desprendimento na Divina Mensagem trazida por Jesus e de saturardes os arcanos do ser com algumas gotas das suas essências imortais e incomparáveis!
Avultam nas camadas sociais terrenas, como nas invisíveis, problemas dolorosos a serem solucionados, desvarios a serem moderados, infinitas modalidades de desgraças, desventuras acérrimas a afligirem a Humanidade, requisitando concurso fraterno de cada coração generoso a fim de serem ressarcidas, consoladas!
Nos hospitais, nas prisões, nas residências humildes como na opulência dos palácios, por toda a parte encontram-se mentes enoitadas pela incompreensão e pelo desespero, corações precipitados pelo ritmo violento de provações e de problemas insolúveis neste século!
Em qualquer recanto onde se haja ocultado a descrença, onde a paixão se instale e a desventura e o infortúnio se mesclem de revolta ou desânimo; onde a honra, a moral, o respeito próprio e alheio não forem consultados para a prática das ações, e onde, enfim, a vida tenha se convertido em fonte de animalidade e egoísmo, lavra a possibilidade de uma queda nos abismos de trevas onde vos agitastes entre raivosas convulsões!
Diligenciar por encontrar tais recantos: estão por aí, a cada passo! ... Aconselhai o pecador a deter-se, em nome da vossa experiência!... e apontai-lhe, como bálsamo para as amarguras, aquele mesmo que desdenhastes quando homem e hoje reconheceis como o único refrigério, a única força capaz de soerguer a criatura da desgraça para enobrecê-la à mirífica luz da conformidade nos prélios dignificantes de onde sairá vitoriosa, quaisquer que sejam as decepções que a açoitem: o AMOR DE DEUS! A submissão ao Irrevogável! Tornai-vos consoladores, exercitando agenciar a Beneficência, segredando sugestões animadoras e reconfortativas ao coração das mães aflitas, dos jovens desesperados pelas desilusões prematuras, das desgraçadas mulheres atiradas ao lodo, cujos infortúnios raramente encontram compassividade alheia, as quais sofrem insuladas entre os espinhos das próprias inconseqüências, desencorajadas de reclamarem, para si também, a ternura paternal de DEUS, a que, como as demais criaturas têm sacrossantos direitos! São, todos estes, seres que estão a requisitar alento protetor dos corações sensíveis, bem-intencionados, quando mais não seja com a dádiva luminosa de uma prece ! Pois dai-lho, uma vez que também o recebestes de almas serviçais e ternas, quando vos encontráveis a bracejar entre bramidos de dor, nas trevas que vos surpreenderam após a tragédia em que vos deixastes enredar!
Preferi, portanto, as manobras santificantes da CARIDADE DISCRETA e obscura, preferi!... e bem cedo reconhecereis, através das trilhas que haveis de palmilhar, as florescências de muito doces alegrias..."

Espírito Camilo Castelo Branco - Psicografiado por Yvonne Pereira

Rosas

Reencarnação de Alarico II -8 chefe dos visigodos
Oh! Par de rosas formosas
 Que eu vejo perto de mim;
 Quem vos fez assim cheirosas,
 Fez muitas flores assim.

  A natureza enfeitando,
 Sois úteis trabalhadoras,
 Pois conservais meditando 
As almas mais sonhadoras.

  A vossa vida ligeira
 De ostentação resumida,
 É uma lição verdadeira,
 Do que há no mundo e na vida.

 Na sua forma exterior,
 Tudo no mundo é fugaz,
 Tudo tem vida de flor
 Que o tempo vem e desfaz.

 Da vossa curta experiência,
 Do curto brilho em que estais,
 Floresce a mais pura essência,
 Que não se extingue jamais.

 É Vosso aroma e perfume,
 Qual delicado troféu,
 Que vossas vidas resumem
 Em outras flores do céu.

 Assim as coisas do mundo,
 Não são o luxo, a vaidade;
 Sim o que vive profundo,
 Na vida da eternidade.

 Também na grande passagem,
 Da vida humana agitada,
 Não há apenas miragem
 Temendo a sombra e o nada.

 Dentro do humano palpita,
 Um outro humano mais puro.
 Ser que bate e se agita,
 Para escapar do monturo.

 Oh! Rosas, rosas de amores,
 Senhoras dos versos meus,
 No fundo tudo são flores,
 A caminhar para Deus.

Jésus Gonçalves

(após escrever essa poesia deitou e desencarnou)

Fatal Encontro Com a Luz

A maioria da humanidade terrena jaz distraída, jornadeando pelos labirintos sombrios da vida material. Vive, em realidade, postergando o encontro fatal com uma fé religiosa racional, lúcida, convincente. Enquanto isso, vai preferindo as ilusões factíveis que são do agrado momentâneo somente do mundo físico e dos que a ele se mantêm enjaulados. 
Acordar espiritualmente, para essa maioria dos humanos, é caminhar sobre calhaus onde espinhos lhes espetam a consciência, mesmo assim sem lograr que seus olhos vejam o que se faz necessário e urgente, 
pejados que estão pelo bafio das ilusões transitórias que satisfazem por momentos. 
Não querem esses religiosos tristes e pessimistas, que apenas vivem com a sua própria dor e a dos seus seguidores, empregar esforços no sentido de se apropriarem, através de uma visão atualizada, de princípios religiosos racionais embasados que se acham em estudos metódicos e persistentes, os quais abrangem tudo quanto lhes falta em matéria de solidificação e de maturidade do real senso religioso. Tomada tal iniciativa, melhor poderão, iluminando-se a si mesmos, esclarecer os seus seguidores. 
Esse religiosos "acomodados acomodadores" na visão de Joanna de Ângelis,  costumam mostrar-se diante dos que lhes seguem os passos com promessas falaciosas onde sobressai o simplismo na "crença em Jesus" para que o ser humano possa "salvar-se", pois que Ele carrega todas as faltas e problemas dos que nEle acreditam e O aceitam. É a propagação da lei do menor esforço. "Se Jesus pode assumir os meus problemas, por que iria eu carregá-los?" - deve ser o pensamento inicial dos baldos da verdadeira fé, aquela que é estruturada na razão. Desta forma, os "religiosos" pouco ou quase nada vão exigindo dos seus seguidores em matéria de transformação dos princípios educativos norteadores, não incentivam o amor pelo próximo, o prazer que é trabalhar no e pelo Bem dos demais irmãos em humanidade, indiscriminadamente. 
Convivem assim com a punição do céu para os "pecadores" e a "morte" imposta por um impiedoso Deus, Aquele da época de Abraão e de Moisés. 
Estivessem em suas épocas, até que se poderia dar-lhes uma certa razão, mas estamos no 3º milênio, em pleno século XXI, quando estão sendo atingidos os corações e as mentes pelas ternas e sublimes palavras de Jesus, sempre nos convidando à vivência do amor recíproco, entre todos. 
Mostrou Jesus um Pai, não algo ou alguém que, para ser amado, tivesse, antes de ser temido pela Sua capacidade de punir severamente aquele que não Lhe fizesse a vontade. 
Não obstante tantas informações enganosas distribuídas às pessoas naquela época recuada, havia o conforto da difusão da imortalidade da alma, pregava-se através da "ressurreição", desfraldando assim a bandeira da esperança aos que ainda se encontravam nos alicerces dos ventres generosos do amor. Hoje, no entanto, abomina-se a idéia da reencarnação e, com isso, as mentes se desarvoram em busca de soluções cabíveis para os seus problemas, suas lutas, suas dores físicas e/ou morais. 
Uma verdade precisa ser repetida: ninguém ficará totalmente e para sempre divorciado da estrutura da vida do espírito porque temos um compromisso com a Consciência Espiritual, e e Ela somente chegaremos através do conhecimento encontrado na literatura religiosa espírita. 
Fatos inevitáveis estão ocorrendo na vida da criatura, cuja finalidade é despertar-lhe a realidade espiritual, por mais ela teime em se mostrar distraída. Ela é forçada à necessidade da fé religiosa como suporte de segurança, sem a qual as suas aflições se tornam acerbas e insuportáveis. 
É a dor que passa a fazer o que o amor não conseguiu. 
Algumas pessoas, nesses instantes, ainda buscam uma saída para não encontrar a Luz. costumando fugir pelos mecanismos depressivos ou alucinantes das drogas, simplesmente por teimosia. É, em verdade, uma relutância que leva o ser a se submeter aos impositivos transformadores de conduta e modo de viver, que uma nova vida solicita. 
Toda alegria derivada dos sentidos se mostra breve, enquanto as que são decorrentes dos hábitos saudáveis e das ações enobrecidas têm sabor de perenidade. Estas, destaquemos, só podem ser detonadas pela pessoa caso ela baseie seus pensamentos e idéias no Evangelho de Jesus e Sua vivência. 
Ignoram os indivíduos adormecidos que as mais doridas aflições derivam do arrependimento quanto ao tempo perdido na malversação das horas, nos abusos vividos de forma desregrada e nos compromissos não cumpridos. 
Possuidores que são do conhecimento, os Nobres Espíritos, mostraram, ao trazerem à Terra a Luz Imarcescível do Espiritismo, que Ela haveria de nos iluminar, não abruptamente, porque encegueceria ou fanatizaria, mas sim de forma gradual, tocando-nos suavemente a fim de que nos adaptássemos ao seu fulgor. 
Não seria pedagógico, como igualmente não o seria caso a Luz rasgasse as trevas íntimas do homem, fazendo-o sofrer em vez de torná-lo feliz, pois a quase totalidade vive atormentada pela consciência de culpa de seus erros transatos. 
"O bem aturde o mal qual ocorre com a labareda que aquece e também queima", adverte Joanna de Ângelis, mostrando o estado espiritual infantil em que estagia a humanidade e os infantis religiosos. Inevitável o enfrentamento dos frívolos e distraídos com a Luz, abrindo espaço para que se instale em seu interior a convicção da vida imortal e como a ela chegar pelos caminhos não mais da dor, mas do amor. 

Por Adésio Alves Machado

A Palavra

O Cristo e os seus discípulos procuraram a sombra de uma figueira para fugir do sol que os castigava na empoeirada estrada da Betânia. Os apóstolos olhavam os arredores em silêncio, como esmagados pela intensidade da luz do astro-rei.
         - Mestre, - disse João, levantando a cabeça cismadora – qual é a ação que mais nos leva ao mal?
         Jesus traçou com o bordão alguns caracteres na areia, e, com sua voz pura e harmoniosa, respondeu:
         - A Palavra!
         Os discípulos voltaram-se para o Rabi com interesse, que, depois de alguns instantes de silêncio, continuou:
         - É com a palavra mansa e sutil que os sedutores atraem suas vítimas; é com discursos inflamados e cheios de promessas que os demagogos enganam as massas; é em nome da justiça que os tiranos pregam a chacina; é em nome do meu Pai que são desencadeadas as perseguições religiosas; é ciciando nos cantos escusos que os caluniadores tecem a trama do seu ódio, e é, em geral, tendo a praga blasfêmia nas suas bocas imundas, que os mais perversos se chafurdam no charco do crime.
          O silêncio voltou à sombra da figueira. O Mestre, retomando o bordão, recomeçou a desenhar símbolos na areia.
         - Mestre, - tornou João, curioso – e qual é a ação que mais nos leva ao bem?
         Jesus, vagando o olhar pela paisagem inóspita, disse incisivo:
         - Ainda é a palavra. É pela palavra que se consolam os aflitos; é pela palavra que é mostrada a estrada do bem; é pela palavra que se transmitem os conhecimentos; é pela palavra que se obtém o retorno dos tranviados; é pela palavra que se perdoa e é pela palavra que falamos com o Pai Supremo através da prece.
Fez-se silêncio novamente, e, como a luz começasse a declinar e o caminho se perdia no além, o Rabi da Galiléia tomou o bordão e se foi com os discípulos para fazer uso da palavra, da palavra que educa, que enobrece, que eleva, que esclarece: a palavra do Evangelho!

Grupo Lauro

A mediunidade nas Crianças


Certa ocasião fui visitar um centro em Belo Horizonte. O grupo mediúnico era formado por alguns médiuns, todos sentados. Os assistidos vinham aproximavam-se um por um próximo aos médiuns. Em seguida o espírito que estava perturbando aquela pessoa incorporava-se num dos médiuns e ali era doutrinado.
Havia entre os médiuns um menino de apenas 11 anos, cujas incorporações me pareceram absolutamente autênticas. O dirigente informou-nos que aquele garoto tinha sofrido muito desde pequeno, por causa de uma mediunidade totalmente aflorada e por isso fora encaminhado para o trabalho de intercâmbio. Condicionado às ideias vigentes nos meios espíritas, julgava lamentável a atitude daquele dirigente. Isto se deu até eu ir a Belém-PA conhecer o Centro Espírita do Nazareno, dirigido pelo respeitado escritor espírita, dramaturgo, membro da Academia Paraense de Letras, *Nazareno Tourinho. 
Ali, tive oportunidade de assistir a um trabalho de desobsessão com a participação de um garoto de 12 anos. Pareceu-me um pré-adolescente tranquilo, com ar alegre de quem está de bem com a vida, apesar do respeito e do senso de responsabilidade que demonstrava para com as coisas espirituais. Perguntei ao Nazareno por que permitia ali tal procedimento, considerado incorreto nos meios espíritas.
Contou-me, então, alguns casos de crianças que ali chegaram após anos de sofrimentos seus e de seus familiares, por causa de uma mediunidade aflorada, e que encontraram em seu exercício o remédio que a medicina não pudera oferecer. Sugeriu-me reler um trecho de O Livro dos Médiuns, no Cap. XVII item 221, alíneas 7 e 8, quando, em seguimento a um alerta sobre a inconveniência de se desenvolver a mediunidade em crianças, encontramos o seguinte: “Mas há crianças que são médiuns naturais, seja de efeitos físicos, de escrita ou de visões. Haveria nesses casos o mesmo inconveniente? Não. Quando a faculdade se manifesta espontânea numa criança, é que pertence à sua própria natureza e que a sua constituição é adequada. Não se dá o mesmo quando a mediunidade é provocada e excitada.
Observe-se que a criança que tem visões geralmente pouco se impressiona com isso. As visões lhe parecem muito naturais, de maneira que ela lhes dá pouca atenção e quase sempre as esquece. Mais tarde a lembrança lhe volta à memória e é facilmente explicada, se ela conhecer o Espiritismo.”
“Qual a idade em que se pode, sem inconveniente, praticar a mediunidade? Não há limite preciso na idade. Depende inteiramente do desenvolvimento físico e mais particularmente do desenvolvimento psíquico. Há crianças de doze anos que seriam menos impressionadas que algumas pessoas já formadas.”
Diante de tais fatos e explicações, percebemos o quanto é importante procurarmos ser sempre mais flexíveis e nunca achar que somos os detentores da verdade, porque a própria verdade também sofre modificações no bojo da evolução.

Grupo  Lauro -JCE
*Nota: O amigo Nazareno Tourinho visitou o Grupo Lauro e nos brindou com seu saber..  


Que perguntas fazer aos Espíritos

No capítulo XXVI, segunda parte de “O Livro dos Médiuns”, Kardec aborda o assunto, perguntando quais as perguntas que se poderiam dirigir aos Espíritos.  Infelizmente, muitas pessoas avessas ao estudo e à leitura, ainda vêm no Espiritismo uma espécie de “buena-dicha”, ou simplesmente um meio de adivinhação.  É o Espiritismo luz para nortear o caminho da Humanidade.
É claro que os Espíritos podem responder às perguntas que lhes são formuladas, sempre que têm por objetivo o bem e os meios que podem resultar em avanço para as pessoas.  Entretanto, o mais comum é vermos pessoas querendo saber alguma coisa sobre o seu futuro, sobre a saúde, sobre questões financeiras e emotivas.  Esquecem-se, ou não sabem, que nossas provas foram escolhidas por nós mesmos, visando o próprio progresso.  Assim, os acontecimentos que estão dentro do plano pré-estabelecido não podem ser modificados, sob a pena de maiores dificuldades no futuro.
Aqueles que vêm nas comunicações espíritas apenas uma distração ou um passatempo agradam muito aos espíritos inferiores que, como eles, querem apenas se divertir, pouco se importando em enganar sua credulidade.
“Uma das coisas que compreendi de imediato, e que me evitou muitos aborrecimentos – diz Kardec – foi saber que os Espíritos não sabem tudo, e que o seu saber está relacionado com o grau de sua evolução”.  O desconhecimento desta verdade faz com que muitas pessoas abandonem os Centros, frustradas, atribuindo à própria doutrina os erros que, na verdade, foram causadas por elas mesmas, quando aceitaram sem maior análise as informações recebidas dos espíritos.
É preciso não esquecer que, entre os Espíritos, como entre os homens, há falsos sábios e semissábios, orgulhosos, presunçosos e sistemáticos.  Como não é dado, senão aos Espíritos perfeitos, tudo conhecer, há para os outros, como para nós, mistérios que explicam à sua maneira, segundo suas ideias, e sobre as quais podem dar opiniões mais ou menos justas que, por amor-próprio, fazem prevalecer, e que gostam de reproduzir em suas comunicações (Ver “O Livro dos Médiuns”, Cap.XXVII).
Ao homem não é dado conhecer o futuro, para não negligenciar o presente.  Desconfie sempre das previsões que não tenham por objetivo o bem geral.

Grupo Lauro

Forças psíquicas no passe

"À medida que se vulgarizam e recebem aceitação as terapias alternativas, objetivando a saúde real, a técnica do amor ganha prestígio, por constatar-se que o fulcro de irradiação do pensamento mantém estreito intercâmbio com a emoção. 
Quanto mais expressiva a   quota de amor, irradiando-se em forma   de energia positiva, mais favoráveis se fazem os resultados terapêuticos nos tentames de auxílio ao próximo.
O amor lúcido carreia forças plenificadoras que robustecem as áreas psíquica, emocional e física daquele a quem é dirigido.
Sendo a chave simbólica para a solução do mais intrincados problemas, ele exterioriza simpatia em sucessivas ondas de renovação que penetram o paciente, revigorando-o para o prosseguimento dos compromissos assumidos.
A canalização do amor é decorrência do pensamento que se sensibiliza pela emoção, exteriorizando força psíquica complementadora, que se dirige no mesmo rumo da afetividade.
Toda vez que Jesus foi convocado a curar, procurou despertar o suplicante para a responsabilidade da saúde, para o compromisso com a vida. Invariavelmente, interrogava-o, se queria realmente curar-se, após cuja anuência, mediante o toque o amor, Ele recuperava os órgãos afetados, restabelecendo a harmonia no ser, cuja preservação, a partir daí, dependia do mesmo.
Tocando o doente, suavemente, sem complexidades no gesto, desejando e emitindo o pensamento curador, alongando-se, psiquicamente até o necessitado onde estivesse, o seu amor reabilitava, recompunha, liberava, sarava, enfim.
A incontestável força da mente ora demonstrada em inúmeras experiências de laboratório, decorre da sua educação e da canalização que se lhe oferece, favorecendo alcançar o alvo ao qual se dirige.
O sentimento de amor que o comanda é complemento essencial para o logro da finalidade a que se destina.
Não obstante, na terapia através dos passes, além da energia mental e do sentimento de afetividade, são inestimáveis outros recursos que lhe formam e definem a qualidade superior.
Referimo-nos às aspirações íntimas, aos anseios emocionais que devem viger em todo aquele que se candidata ao labor da transfusão da bioenergia curadora.
O pensamento exterioriza o somatório das vibrações do psiquismo e, como é natural, torna-se indispensável que essas sejam constituídas de recursos positivos e saudáveis, sem as pesadas cargas deletérias dos vícios e dependências perturbadoras.
Cada qual é o que cultiva; exterioriza aquilo que elabora.
Não há milagre transformador de caráter vicioso, num momento produzindo energias salutares, que não existem naquele que pretende improvisá-las.
Todo recurso é resultado do esforço e a força psíquica se deriva dos conteúdos das ações realizadas.
Quem, portanto, deseje contribuir na terapia socorrista mediante os passes, despreocupe-se das fórmulas e das aparências, perfeitamente dispensáveis, para cuidar dos recursos morais, espirituais que devem ser desenvolvidos em si mesmo.
Tabaco, alcoólicos, drogas aditivas são grandemente perniciosos aos pacientes que lhes recebem as cargas de natureza tóxica. Igualmente, as emanações do desregramento sexual, dos distúrbios de comportamento emocional, da intriga, da maledicência, do orgulho, do ódio e seus famanazes, tornam-se de caráter destrutivo, que irão agravar o quadro daqueles que se lhes submetem.
Na terapia pelos passes, torna-se imprescindível a sintonia do doador com o passivo, a receptividade do paciente em relação ao agente, sem o que, os resultados se tornam iníquos, quando não decepcionantes.
A pedra que não tem poros, após milênios mergulhada no oceano, ao ser partida, apresenta-se seca no seu interior.
Ame-se e cure-se, quem deseje participar da solidariedade humana, no ministério do socorro aos enfermos, a fim de melhor ajudar.
Exteriorize o amor e anele firmemente pela saúde do próximo, deixando-se penetrar pela energia divina de que se fará instrumento e, exteriorizando-a com a sua própria vibração, atenda os irmãos enfraquecidos na luta, caídos na jornada, desorganizados nas paisagens do equilíbrio.
A terapia pelos passes é doação de amor e de saúde pessoal, dispensando quejandos e aparatos mecânicos de sugestão exterior".


Manoel Philomeno de Miranda (espírito)
Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, em 11/11/92, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador - BA.


Desamarrações

Diante de sofrida viúva, a médium transmitia informações do “mentor”:
– Sua vida está “amarrada”. Há gente que não gosta de você e a cerca de vibrações negativas. Isso agrava os problemas com sua filha, que se ressente de um sentimento de rejeição de sua parte, quando nasceu. Inconscientemente, ela guarda certa revolta e a agride com suas atitudes, pretendendo castigá-la.
– Estranho… Eu queria ser mãe! Vibrei quando fiquei grávida!
– E tem mais: seu marido não se conforma em viver longe da família, principalmente da filha, por quem nutre carinho especial. Está agindo com o propósito de levá-la. Daí os problemas de saúde que vem enfrentando.
– Meu Deus! É assustador!
– Tenha calma. Com nossa ajuda, esse nó será desfeito!
Terminada a reunião, tensa e amedrontada, a viúva perguntou à médium que providência deveria tomar.
– Deixe tudo por conta de meu mentor. Ele é poderoso. Teremos apenas que tomar algumas providências, comprando os apetrechos necessários.
– Estou pronta. Que devo fazer?
– Vai custar-lhe dois mil reais…

***
Ouvi essa assombrosa história da própria consulente.
Há dias não conseguia dormir, dando “tratos à bola”, a imaginar como conseguir o dinheiro necessário.
Sua angústia maior: não tinha de onde tirar soma tão grande. Vive de humilde pensão deixada pelo marido.
Recomendei-lhe que esquecesse o assunto e fosse cuidar da vida. Nada de mal lhe aconteceria. Todas aquelas informações eram meros recursos para impressioná-la, extorquindo seu dinheiro.
***
Incrível do que são capazes aqueles que apostam na ingenuidade humana.
Basta fechar os olhos, dizer que o “guia” está ali, e pronto! Os “clientes” aceitam qualquer patacoada como a mais pura expressão da verdade.
Dizendo-se especializados em desfazer “amarrações”, esses mistificadores usam sempre a mesma técnica:
Primeiro assustam as vítimas com “revelações” escabrosas.
Depois, propõem-se a resolver tudo, mediante o pagamento de determinada importância.
Apavorados, os incautos consulentes fazem das tripas coração para atender às exigências.
Dirá você, meu caro leitor:
– Consultei, certa feita, um médium desse tipo. Fez revelações acertadas.
É possível que aconteça, quando se trata de alguém que possui sensibilidade psíquica.
Nesse caso, a consulta é ainda mais inconveniente.
O “guia” vai apenas confirmar o que está na sua cabeça.
Se estiver desconfiado de que a mulher anda flertando com o vizinho, logo virá a informação:
– Cuidado! Sua mulher anda flertando com o vizinho!
O médium apenas captou suas suspeitas, situando mera fantasia por realidade.

***
Qual o comportamento ideal, em relação ao assunto? – perguntará você.
E eu lhe respondo:
Jamais procure tais “serviços”.
Eles não têm absolutamente nada a ver com a Doutrina Espírita, nem com os verdadeiros mentores espirituais. Estes cuidam de assuntos mais importantes. Não perdem tempo com intrigas e fofocas.
Portanto, antes de ir atrás dessas fantasiosas “desamarrações”, é preciso desamarrar a nossa cabeça, exercitando discernimento.
O presente é fruto de nosso passado.
O futuro será fruto de nosso presente.
Nada melhor, portanto, se você cogita de um porvir feliz, que trabalhar por ele, com o mais legítimo de todos os recursos:
A prática do Bem.


Do Livro Para Rir e Refletir
Richard Simonetti

Carta a Deus

Eu gostaria de dizer algumas palavras a Deus ou ao autor dos mecanismos punitivos que fazem o ser humano sofrer, seja quem for. São palavras que visam atingir a essência dos motivos pelos quais tais mecanismos foram criados:

Prezado Senhor da Vida,
Em primeiro lugar, não mais acho que a dor deva fazer parte dos mecanismos corretivos. Não seria mais adequado ensinar pelo amor, mesmo considerando o grau de ignorância da alma humana? A dor é uma espécie de alerta para que o ser humano perceba que algo não está indo bem, porém não seria melhor colocar-lhe um dispositivo que o lembrasse disso, mas que não lhe causasse a sensação de sofrimento? Talvez uma luz devesse se acender em sua consciência lembrando-lhe da necessidade de corrigir seu rumo ou então um mecanismo automático de alteração da rota. A necessidade de conscientizar-se da alteração poderia também ocorrer de tal forma que ele não precisasse repeti-la constantemente. Proponho em substituição à dor, o amor, através de uma leve sensação da necessidade de alterar as emoções, as ideias e os atos.
Em segundo lugar, gostaria de propor que as necessidades de castigar e castigar-se sejam substituídas pela compreensão da própria natureza humana. Nenhum mecanismo  psíquico seria disparado para que o próprio ser humano se punisse nem sentisse, pela projeção, necessidade de agredir outrem. A punição visando o alívio da culpa seria substituída pela vontade firme de assumir as consequências pelos equívocos cometidos.
Em terceiro lugar, gostaria de dizer que deveriam ser modificados os processos dolorosos de sofrimento visando a educação da ignorância humana devido a  atitudes inadequadas em suas vidas sucessivas. Que evitasse, por exemplo, deixar que mães vejam morrer seus filhos em tenra idade ou que o amor que alguém sente o leve a morrer sem nenhuma forma de reciprocidade. Que a reencarnação não se torne, como parece, um mecanismo de punição ao permitir alterações significativas nos corpos e no psiquismo de alguns pobres espíritos que trazem profundas marcas de nascença. Que, mesmo que seja necessário ao espirito vir com alterações físicas decorrentes do uso inadequado de seu livre arbítrio, que isso ocorra em etapas de tal forma que as alterações físicas sejam mínimas.
Em quarto lugar, sugiro que se altere o mecanismo corretivo daqueles que são chamados de doentes mentais. Que possibilite o surgimento de alguma forma de se detectar o que ocorre em seu íntimo, a fim de facilitar os processos de cura. Que a doença mental não seja tão estigmatizante a ponto de alienar o individuo por uma encarnação inteira, mas que proporcione meios de que aquilo cesse, mesmo que recomece em outra existência física. Permita-me pedir algum mecanismo de alívio e de  percepção a nós outros que nos possibilite auxiliá-los, para que sofram menos e aprendam mais.
Eu gostaria que certas palavras não mais existissem, mas sei que elas apenas representam algo que é concreto e que se passa com o ser humano. São aquelas palavras que denotam inferioridades, misérias e agressividades de qualquer  natureza. Peço Senhor, que dê uma ajudazinha para eliminá-las dos dicionários após erradicá-las da natureza humana com a conquista do equilíbrio de suas emoções, pensamentos, ideias e atos.
Eu gostaria, com Sua ajuda, de despertar nas pessoas os sentimentos mais nobres que possam levá-las à FELICIDADE SEM CULPA. De dizer-lhes que o amor existe e que a Vida pertence a Você, não necessitando medo de vivê-la, para que possam fazer multiplicar sobre a Terra a esperança e a felicidade.
Sei também, Senhor, que o amor quando ocorre, consciente ou inconscientemente, possibilita o despertar e a exteriorização de vibrações de criatividade mobilizadoras das inclinações superiores da Vida. Peço-Lhe que me permita alcançar a sabedoria necessária para despertar nos corações humanos o amor que os levará à retirada da culpa e assim então possam conseguir a felicidade.
Eu gostaria, Senhor, que não tomasse minhas palavras como uma reclamação ou uma incompreensão de Seus mecanismos educativos. Apenas proponho uma outra maneira. Sei que Sua inteligência já deve ter pensado nisso e não escrevo achando que possa ser diferente, mas quero Lhe dizer que assim procedo porque dói em mim mesmo. Dói por não saber o que fazer para minorar o sofrimento humano e por me sentir impotente diante de minhas próprias dores. Gostaria de contar com Sua compreensão e que possa me responder o mais breve possível.

Adenáuer Novaes

Tensão ou harmonia?



Da preciosa coleção da Revista Espírita (editada por Kardec no período de 1858 a 1869), extraímos para o leitor pequeno trecho do texto “Organização do Espiritismo” – publicado na edição de dezembro de 1861 – cuja atualidade impressiona face aos desafios sempre encontrados pelas instituições e grupos no que se refere aos relacionamentos entre seus integrantes.
A velha questão dos melindres de suscetibilidades, dos conflitos de opinião e daí os desdobramentos próprios da desorganização das ideias diferentes, leva muitas iniciativas ao fracasso, interrompe bênçãos de trabalho, afasta valorosos cooperadores, com prejuízos evidentes à proposta espírita.
Como o fim do Espiritismo é essencialmente moral, espera-se que busquemos nesse esforço do autoaprimoramento as bases de nossa atuação individual e coletiva, para não ocorrência dos prejuízos bem próprios de nossa condição humana.
Acompanhemos o pequeno trecho selecionado, que se refere aos grupos:
“(...) Se eles forem formados de bons elementos, serão tantas boas raízes que darão bons rebentos.
Se, ao contrário, são formados de elementos heterogêneos e antipáticos, de espíritas duvidosos, se ocupando mais da forma que do fundo, considerando a moral como a parte acessória e secundária, é preciso se prever polêmicas irritantes e sem desfecho, melindres de suscetibilidades, seguido de conflitos precursores da desorganização.
Entre verdadeiros espíritas, tais como os havemos definido, vendo o propósito essencial do Espiritismo na moral, que é a mesma para todos, haverá sempre abnegação da personalidade, condescendência e benevolência, e, por consequência, certeza e estabilidade nos relacionamentos. Eis porque insistimos tanto nas qualidades  fundamentais. (“...)”
A sempre constante questão dos conflitos ou da harmonia está no comportamento individual que se reflete diretamente nos grupos.
 Exatamente aquele comportamento de boa vontade que busca superar e egoísmo e a vaidade para o bem coletivo.
Quando nos fechamos em pontos de vistas, quando nos achamos melhores que os demais, quando pensamos que nossa opinião é a melhor, quando não valorizamos o esforço alheio ou quando optamos pelos tristes caminhos do orgulho, serão nossos acompanhantes a irritação, a intolerância e seus desdobramentos próprios.
Quando, todavia, optamos pelo caráter solidário dos relacionamentos, quando desejamos sinceramente o bem de todos ou direcionamos nossas ações para a permanência da harmonia, os frutos de nossas realizações conjuntas serão doces e sempre com benefícios gerais que extrapolam os limites do próprio grupo, pois que se irradiam de si mesmo em favor de muitos.
É que o afeto é capaz desses prodígios. O afeto é construído, valorizando, conquistando, estimulando, vivendo e cultivando.
Será de muito oportunismo uma releitura do texto “Organização do Espiritismo”, especificamente voltado à formação ou manutenção de grupos espíritas.
 

por:
Orson Peter Carrara